terça-feira, 13 de novembro de 2012

Estágios da Vida da Célula.




Estágios da Vida da Célula

            Normalmente, uma célula passará por quatro fases: comunhão, edificação, evangelismo, e multiplicação. A duração média para que esse ciclo ocorra é entre seis meses e um ano, quando, naturalmente, terá de se multiplicar. Após a multiplicação, as duas células resultantes são considerados células novas. E como tais, talvez tenham de passar novamente por esses quatro estágios. Contudo, há casos em que não será necessário.
            Algumas células poderão passar de uma fase a outra tão rapidamente que, talvez, nem percebamos; outras, porém, poderão demorar-se mais numa determinada fase que a maioria. Cada célula possui características próprias. Seja sensível e perceba a personalidade da sua célula. Existem células dinâmicas, células passivas, células alegres, células jovens, células mais velhas e assim por diante.
  1. Estágio da comunhão (primeiras 4 ou 6 semanas)
            O alvo neste período é produzir vínculos e relacionamentos de comunhão. Os eventos sociais devem ser mais freqüentes, para que as pessoas se conheçam e criem intimidade entre si. Será necessário dedicar pelo menos um mês inteiro para isso, até que haja afinidade entre os irmãos. O processo pode ser acelerado, se for programado um retiro de final de semana. Alguns aspectos devem ser considerados nessa fase:
             
a.      Vínculos na célula
            As pessoas devem ser sentir incluídas na célula ou não. Devemos favorecer para que todos sejam incluídos no círculo de amizade. Cultive um ambiente na célula onde todos conseguem expressar seus pensamentos e sentimentos. Na hora de decidir uma questão, não deixe a célula apática esperando a decisão do líder, gere atividade e participação. Células apáticas são células ainda desvinculadas. O que também pode ser observado na hora do compartilhamento na reunião. Observe como a comunhão acontece no final da reunião. Em grupos desvinculados, as pessoas se dispersam rapidamente ou simplesmente ficam sentadas.

b.      Entendimento do compromisso e do propósito
            Todas as partes básicas da visão devem ser estabelecidas: a multiplicação (quando a célula atingir a faixa de 15 membros), cada crente ser um ministro, cada casa se abrir para receber a igreja e os outros objetivos básicos da célula (oração, comunhão e edificação).
            Cada membro deve ter bem claro que tipo de compromisso se espera dele na célula.
            As quatro primeiras reuniões serão dedicadas, basicamente, ao entendimento da visão, ao estabelecimento das alianças da célula e à compreensão dos objetivos e da dinâmica da reunião da célula. Nunca é demais lembrar cada momento da reunião: Quebra gelo, louvor, edificação, compartilhamento, oração e comunhão. Faça com que  cada membro da célula entenda que nós somos uma igreja em células.

c.      Princípios enfatizados
            Muitas células, no começo, são apenas cultos nos lares. Trabalhe para mudar isso. Fale, explique, exorte, mas não permita que sua célula seja apenas um culto familiar.
            Toda célula deve ter, no mínimo, um líder em treinamento. O líder em treinamento funciona como o DNA do grupo, ou seja, ele é quem leva as informações básicas que edificarão a próxima célula dentro da visão. Se não houver líder em treinamento, a tendência é que a próxima célula, resultante da multiplicação da célula atual, se fragilize e a visão se degenere.

O que enfatizar nesse estágio:
  • Enfatize os objetivos da célula: oração, comunhão, edificação e multiplicação.
  • Nessa primeira fase, a ênfase maior deve ser dada à comunhão. Estabeleça e monitore junto com o líder os eventos de comunhão.
  • Faça um treinamento para demonstrar o nosso padrão de reunião de célula, realçando cada parte da reunião e mostrando a importância e a necessidade de cada uma.
  • Deixe claro, desde o início, os objetivos da célula e a nossa forma de ser da igreja: multiplicação – consolidação – EMPACTO – Escola de Discípulos – eventos pontes - etc.
  1. Estágio de edificação (do segundo ao quarto mês)
            Esse é o estágio de conflito na vida da célula, no qual os relacionamentos terão de passar do nível social para o pessoal. Nesse momento, é natural a ocorrência de conflitos nos relacionamentos. Não pense que, com isso, a célula está decaindo; na verdade, é um grande avanço, pois mostra que já não são indiferentes uns aos outros. Espera-se que nessa fase o grupo esteja razoavelmente vinculado, com pessoas ministrando a Palavra, pois cada crente é um ministro; e haja boa participação em compartilhar. O líder deve levar o líder em treinamento para as reuniões periódicas de discipulado e pastoreio de líderes.

    1. Relacionamentos pessoais
            Nesta fase todos já devem se conhecer dentro da célula. Espera-se que o líder já tenha sido reconhecido pela célula. Espera-se que a célula tenha avançado de um mero culto doméstico para um grupo razoavelmente vinculado. Além disso, mais pessoas já podem ministrar a Palavra e o compartilhamento na reunião deve estar bem mais participativo.

    1. Compreensão do propósito
            De todos os propósitos, o da edificação deve ocupar a posição central. Muitos dos propósitos estabelecidos para a célula serão desafiados.    As tensões dentro da célula podem ser resolvidas pelos pactos ou alianças da célula (Célula purê de batata, Pacto da célula, minha célula é Dez e outros).

    1. Princípios enfatizados
            Cada crente é um ministro. Estimule o revezamento da Palavra, monitore e estimule o compartilhamento. Os membros já devem estar vivendo a nossa forma de ser igreja. Monitore quantos membros ainda não estão na Escola de Discípulos. Uma possibilidade seria fazer uma reunião mensal que incluísse o líder em treinamento e o anfitrião da célula.
  1. Estágio de evangelismo (depois do quinto mês)
            Nessa fase os membros da célula se tornam livres para se expressar, se comprometer e falar abertamente. Nesse tempo a célula se torna um verdadeiro purê de batata, o relacionamento sai do nível pessoal para o comunitário. Nesse estágio a célula corre o risco de ficar embriagada consigo mesma. Se não for enfatizada a visão da multiplicação, a célula pode se estagnar. Se acontecer de a célula não sofrer uma crise de multiplicação, é porque a visão não foi assimilada apropriadamente. Projetos de oração e jejuns devem ser comuns nessa fase. Os eventos-ponte precisam ser centralizados na vida da célula! É intolerável uma célula sem um líder em treinamento nesse período. A bênção da multiplicação deve ser enfatizada.

O que enfatizar nesse estágio:
  • Procure levar a célula ao crescimento através de oração e das vigílias. Nesse momento, os jejuns devem ser comuns.
  • Mais do que em qualquer outra fase, os eventos-ponte precisam ser centralizados na vida da célula!
  • Em hipótese alguma, tolere uma célula sem um líder em treinamento nessa fase.
  • Procure mostrar a importância e a bênção da multiplicação.
  • Comece a estimular irmãos a cederem suas casas para a futura multiplicação. É tempo de localizar anfitriões.
  1. Estágio de multiplicação (ou finalização)
            Geralmente, o tempo de vida de uma célula será de 6 meses a um ano. Qualquer célula, que não se multiplica depois de 12 meses, poderá se estagnar, perder seu dinamismo e, eventualmente, morrer.
            Toda célula deve ter uma finalização de algum tipo, e cada membro deve estar atento para isso, desde o início. Consideramos que uma célula se encerra ao se multiplicar. As duas células resultantes da multiplicação são consideradas, então, duas novas células. E como tais, talvez se torne necessário passarem novamente por todas as fases.

O que enfatizar nesse estágio:
  • Esse é um tempo de celebração. O líder deve ajudar os membros a verem a multiplicação como uma ocasião de alegria para todos os envolvidos.
  • É tempo de planejar a multiplicação. Espera-se que o líder em treinamento tenha tido oportunidade de realizar todas as tarefas de um líder, ao lado do líder da célula. Se for necessário, ministre esse manual de células para o líder em treinamento e para o anfitrião, para reafirmar a visão.
Atividades constantes em todas as fases de uma célula
  •             Preencha e entregue os relatórios da célula ao seu discipulador.
  •             Envie todos os novos convertidos para o EMPacto.
  •             Os eventos-ponte devem acontecer mesmo quando a célula ainda é um bebê; por isso, planeje-os junto com o líder e o líder em treinamento.
  •             A nossa forma de ser igreja deve ser nítido para toda a célula, e a sua prática deve ser normal e comum. O caminho a ser seguido deve ser sempre enfatizado e demonstrado naturalmente.



  •             Esteja sempre atento a gerar novos anfitriões e líderes.
  •        Estimule cada membro a passar pelo processo completo: da consolidação ao Curso de Treinamento de Líderes.
  •         Cada líder deve estar consciente de sua responsabilidade em indicar ou retirar qualquer membro da sua célula de qualquer dos ministérios da igreja, conforme a qualificação do membro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário