Pregações e estudos


O poder que pode ser liberado em meio à fraqueza

Em vários momentos da minha vida pastoral, observando o corpo de Cristo, fico a me indagar sobre o porquê de muitos crentes serem tão fracos, não terem decisão e firmeza mental e espiritual, serem tão duvidosos, hesitantes, vacilantes na fé. Entristeço-me quando me deparo dia após dia com essa realidade.
Afirmo isso por algumas evidencias que vejo no meio do nosso povo: 1.Quantos desistem da fé por nada! 2. Quantos abandonam a Igreja de Cristo! 3. Quantos caem sempre nas mesmas tentações e pecados! 4. Quantos retrocedem diante das promessas de Deus! 5. Quantos se acovardam diante dos desafios da vida Crista!
Chego a ouvir muitas desculpas para essas situações: “a carne é fraca”, “não consigo ser firme”, “é muito difícil no mundo em que vivemos”. A meu ver tudo isso pela falta de conhecimento e compreensão da Palavra de Deus. O que nos faz fortes é a Palavra. O que nos faz firmes é a palavra. É isso que nos declara I João 2.14: “Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno.” (Grifo meu).
Aqueles que se acham fracos precisam entender melhor a fraqueza pela Palavra de Deus. Eu e você, precisamos ministrar aos fracos, aquilo que a Palavra de Deus expressa: há um poder de Deus que pode ser liberado na fraqueza, pela fé. Deus diz isso a Paulo. Quando ele se sente fraco pelo seu espinho na carne, a reposta que ele recebe é esta: “E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.” II Co 12.9.
Na fraqueza Deus libera seu poder que nos faz fortes, firmes, vigorosos, corajosos. Isso porque são nesses momentos que aprendemos a depender de Deus, descansar em Deus, reconhecer que nada podemos, mas Ele tudo pode. Essa nossa atitude libera o poder de Deus em meio as nossas fragilidades e debilidades.
Se aprendermos e ensinarmos sobre isso, os casos de crentes fracos que caem, que retrocedem, abandonam, se acovardam, seriam extintos do nosso meio, porque todos saberiam, pela fé, liberar o poder de Deus em meio as fraquezas da vida. O poder que nem sempre se manifesta nos fazendo vencedores de imediato, mas que nos fortalece e nos faz passar pelas dificuldades sem “perdermos a Graça”.
Que Deus te fortaleça em suas fraquezas. Com amor.

Pr Fernando Lopes Balthar



100 dicas para fazer sua célula crescer:

1. Prepare um evento evangelístico (“evento-ponte”) especial para um segmento da sociedade, como, por exemplo, policiais militares, bombeiros, professores, etc.
2. Planeje um piquenique, com o propósito de convidar amigos. Leve o lanche para eles e faça-os se sentir à vontade.
3. Prepare esquetes breves para evangelismo de rua. Além de ser uma estratégia de evangelismo, vai produzir mais vínculos entre os membros da sua célula.
4. Convide o grupo de teatro da igreja para fazer um trabalho evangelístico na rua onde fica a sua célula.
5. A Cruzada Estudantil fornece gratuitamente projetores para a exibição do filme Jesus. Experimente projetar o filme na rua da sua célula.
6. Vista alguns membros do grupo como palhaços para atrair a multidão, enquanto outros falam de Cristo.
7. Faça cartões de visitas com o endereço de sua célula e distribua-os na vizinhança.
8. Experimente o projeto “Saindo da Toca”: uma hora antes da reunião da célula, os membros saem e convidam as pessoas para a reunião que está para acontecer.
9. Compre folhetos e carimbe o verso deles com o endereço da célula; depois, distribua-os nas caixas de correio da vizinhança.
10. Simplesmente fazer um culto ao ar livre pode ser uma boa idéia, ainda mais se a sua célula fica perto de um local movimentado!
11. Há uma relação direta entre o número de visitantes na célula e o número de vezes que o líder multiplica a célula.
12. Experimente fechar a sua rua e fazer um dia de lazer com os vizinhos da célula! Programe esportes, brincadeiras e termine com um testemunho.
13. Se você possui dons de cura, use o seu dom para ganhar almas! Faça uma campanha de oração pelos enfermos.
14. Mateus era um discípulo popular que, quando se converteu, fez uma festa e convidou todos os seus amigos para ouvir a Jesus. Veja se há um “Mateus” na sua célula (Mt 9:9,10).
15. Use o batismo de cada novo membro como pretexto para uma festa de testemunho para a família dele.
16. André foi alguém que, quando se converteu, foi e chamou a Pedro, seu irmão. Veja quantos “André” há na sua célula. Estimule-os a convidar os seus irmãos (Jo 1:41,42).
17. Lázaro foi quem Jesus ressuscitou dos mortos. Ele não precisava dizer nada - as pessoas apenas vinham para vê-lo. Veja se há um “Lázaro” na sua célula e leve-o a testemunhar (Jo 12:1).
18. Use o boletim da igreja como um cartão de visitas, para convidar não-cristãos para a reunião da célula.
19. Se o seu bairro é pobre, talvez seja uma boa idéia fazer um sopão - ou algum outro tipo de projeto social - para atrair a vizinhança.
20. Você já pensou em entrar numa sala de bate-papo na internet, para falar de Jesus? Não despreze nenhum tipo de oportunidade!
21. Experimente usar um filme secular para discutir com não-cristãos o que é o novo nascimento ou o sentido da vida. Vendo tais filmes, eles poderão se desarmar.
22. Procure desenvolver um interesse real pelas pessoas. Quando as pessoas se sentem importantes e valorizadas, elas se abrem para o Evangelho.
23. Não tenha receio de fazer apelos e desafiar pessoas a crerem em Jesus. Mesmo que haja um único visitante na célula, desafie-o a crer!
24. Faça pelo menos um “evento-ponte” a cada dois meses. Planeje-o com antecedência e com oração e jejum. Qual foi o último que você realizou na célula? (Pode ser esta a hora de planejar outro...).
25. Durante um tempo, a célula poderá fazer rodízio de anfitrião, se reunindo, a cada semana, na casa de um membro. Essa pode ser uma boa forma de atrair parentes e visitantes.
26. Torne-se um servo de quem você quer atrair para Jesus, ajudando-o em alguma necessidade que tenha, como, por exemplo, cuidar de um bebê recém-nascido, fazer-lhe as compras, etc.
27. Ensine o seu grupo a usar “as quatro leis espirituais”, da Cruzada Estudantil, e então desafie cada membro a pregar na escola, no trabalho, e em casa. Grupos que semeiam, certamente vão colher!
28. Prepare uma noite de serenata para cada visitante que foi ao grupo num determinado mês. A serenata tem um grande poder de amolecer corações.
29. Faça um cartão personalizado da sua célula. Dê uma quantidade para cada membro e peça-lhes que distribua-os entre os seus próprios amigos.
30. Não há um modo que seja “o correto” para você multiplicar a sua célula. Seja criativo e experimente todas as estratégias que o Espírito Santo inspirar você a fazer!
31. Deixe uma cadeira vazia em toda reunião da célula. Leve todos a orarem para que a cadeira seja ocupada nas próximas reuniões, por um novo convertido.
32. Não tenha receio de usar um velório como meio de evangelização. Muitas pessoas só pensam na morte nesses momentos.
33. O segundo domingo de maio é o dia das mães. Que tal fazer um “evento-ponte” para todas as mães da região, ou para as mães dos membros da célula? Não perca oportunidades!
34. Anuncie constantemente o alvo de multiplicação para a sua célula! Estabeleça uma data-limite e declare desde já a vitória do plano!
35. Se você acabou de conhecer alguém na igreja, que está sem célula, não hesite em convida-lo. Às vezes temos de “pescar” dentro de nosso próprio “aquário”.
36. Cada líder de célula deve lembrar constantemente os membros da célula de convidar os seus amigos para a reunião.
37. Líderes experientes sabem que é necessário que se convide 25 pessoas, para que 15 se comprometam a comparecer. Das 15, apenas 8 virão realmente; e das 8, 5 + ou - se decidirão a permanecer. Portanto, convide muitos!
38. Tente fazer jantares evangelísticos, eventos sociais, piqueniques e festas. Jesus sempre comia com as pessoas. Comida, descontração e visitantes são uma ótima combinação .
39. Faça o que funciona para você; o que importa é que o evento atraia o visitante. Utilize o método à exaustão, e, quando já estiver cansado dele, tente algo diferente.
40. A maioria das pessoas se converte aos poucos - gradualmente. Não desista se alguém parece retroceder! Crie um ambiente de liberdade e aceitação, e a pessoa acabará se firmando.
41. O dia dos namorados é um evento muito popular. Programe algo com os casais da sua célula! Talvez vocês possam fazer um jantar romântico na casa de um deles.
42. Faça um “evento-ponte” especial para o Dia das Mães, para a Páscoa ou para o Natal. As pessoas se abrem para participar de eventos, nessas ocasiões.
43. Uma maneira prática de conquistar a simpatia dos vizinhos é fazer um dia de serviços na comunidade: amolar facas e tesouras, limpar jardins, lavar carros, arrumar telhados, etc.
44. Leve os membros da célula a cultivarem amizades com os seus vizinhos, convidando-os para almoçar juntos ou participar de um churrasco - na casa deles.
45. Se vários membros de sua célula vivem numa mesma área ou condomínio, juntem-se e façam um refeição para os novos vizinhos recém chegados.
46. Sua célula é capacitada a alcançar certo tipo de pessoas. Existem tipos de pessoas que sua célula jamais alcançará. Então, invista naquele tipo de peixe que você é capaz de pescar!
47. Como líder de célula, você vai atrair quem você é, e não quem você quer! Se você é jovem, pregue para jovens; e assim por diante...
48. Não tente ser algo que você não é! Procure aperfeiçoar sua bagagem e sua experiência, e invista tempo em alcançar aqueles que se parecem com você!
49. Pessoas com doentes na família, pais com filhos problemáticos, casais com problemas conjugais e pessoas com problemas financeiros estão mais abertos para ouvir de Jesus.
50. Você é um pescador! Saiba que peixes você quer pegar. Cada tipo de peixe exige uma isca específica e uma época específica de pescaria. Escolha um público alvo!
51. Você é um pescador! Diferentes tipos de peixes se alimentam em diferentes locais, em horas diferentes do dia. Vá aonde os peixes estão! Nem todo peixe virá à sua célula!
52. Você é um pescador! Aprenda a pensar como um peixe! Entenda os hábitos e os gostos de cada peixe! Em outras palavras: fale a linguagem que as pessoas entendem!
53. Você é um pescador! Uma pescaria bem sucedida requer que façamos coisas desagradáveis para nós, mas boas para os peixes. Faça qualquer coisa para pescar uma alma!
54. Você é um pescador! A maioria tem o hobby da pescaria, mas você é um pescador que possui uma responsabilidade diante de Deus. Seja sério e diligente na pescaria, e os peixes virão!
55. Encoraje aqueles que estão sendo batizados a convidar os seus amigos não-crentes para assistirem ao batismo. Use o batismo como um “evento-ponte” da célula.
56. Leve toda a célula a fazer uma oração de entrega a Jesus; depois pergunte se alguém nunca tinha feito aquela oração antes. Leve a pessoa que se decidiu a reafirmar a sua entrega, de forma voluntária.
57. Nunca deixe de orar por cura, se houver alguém enfermo, nem por libertação, se houver alguém oprimido na célula. Os milagres são a grande isca de Deus para salvar as vidas!
58. Se você possui o dom, experimente fazer uma campanha de cura, libertação, ou prosperidade, por sete ou dez reuniões seguidas. Não tenha preconceitos com métodos!
59. O segundo domingo de agosto é o Dia dos Pais. Que tal fazer um “evento-ponte” para todos os pais da região, ou para os pais dos membros da célula? Não perca oportunidades!
60. Se alguém na sua célula possui o dom de evangelista, use-o para começar uma célula pioneira numa outra região da cidade.
61. Estamos numa guerra! Espere por lutas! Prepare-se para elas! Uma célula é um pelotão - empenhado em assaltar as portas do Inferno, para libertar as vidas!
62. Ore para que Deus manifeste sinais na sua célula. Isto fortalece a fé dos irmãos e atrai os não-cristãos.
63. Nunca deixe de participar de festas na sua empresa, na sua escola ou no seu prédio. São excelentes oportunidades de se fazer amizades e dar testemunho.
64. Se o grupo tem disponibilidade, experimente fazer uma outra reunião com a sua célula, exclusivamente para evangelismo.
65. Não fale de Jesus às pessoas assim que as encontra pela primeira vez. Primeiro converse com elas sem nenhum interesse e torne-se amigo delas, supra as suas necessidades e ame-as.
66. Se o seu grupo tem sete pessoas e você quer multiplicá-lo em um ano, o seu desafio será ganhar duas pessoas a cada quatro meses. Não parece ser tão difícil, parece?
67. Podemos fazer convites, eventos, visitas e tudo o que for necessário para encher o grupo de visitantes, mas se alguém não falar algo da parte de Deus, com paixão, as pessoas não voltarão!
68. É a verdade que liberta! Precisamos ter uma palavra viva, se queremos ver gente sendo liberta! Não temos de pregar muito, mas temos de pregar a verdade com vida!
69. É a unção que liberta do jugo! Precisamos orar para que haja um fluir na célula e as pessoas sejam livres das cadeias malignas, pela unção de Deus.
70. Crescimento não acontece por acaso! Você precisa querer se multiplicar e se aplicar nesse propósito. Fale disso, compartilhe isso, e faça-o!
71. Estimule os membros da sua célula a ampliar os seus círculos de amizade. Quanto mais amigos não-convertidos ele tiverem, maiores serão as chances de multiplicação!
72. Existe uma lei chamada “lei do número máximo”. Que lei é esta? - Se você deseja ter quinze visitantes no seu “evento-ponte”, então convide pelo menos sessenta.
73. Não confunda atividade com produtividade! Não queira apenas fazer um “evento-ponte” para cumprir um programa. Queira frutos; resultados!
74. O preço do crescimento da célula é ouvir “não” centenas de vezes. Ensine os membros do grupo a não ficar desanimados com recusas!
75. Convide um amigo para a reunião da sua célula, pelo menos uma vez por mês, durante pelo menos um ano. Água mole em pedra dura...
76. Você possui um dia definido de jejum semanal? E a sua célula? Manter uma disciplina constante de jejum e oração é uma das garantias de crescimento e multiplicação.
77. O dia 12 de outubro é o dia das crianças. Programe um “evento-ponte” para atrair as crianças do bairro. Conte alegremente para elas que o reino dos céus já é delas!
78. Receba as crianças da maneira como Jesus fazia: abençoando-as e impondo-lhes as mãos para orar por elas. Pregar para as crianças pode ser uma boa isca para também atrair os pais!
79. Uma pesquisa comprova que mais de 50% dos membros das igrejas se converteram antes dos 13 anos de idade. Essa é a melhor fase para apresentarmos a elas o plano do amor de Deus.
80. Use as crianças como agentes do Reino. Não permita que as crianças fiquem de fora de nenhum projeto de oração ou jejum da célula! Adapte o projeto para a realidade delas.
81. No dia 2 de novembro os cemitérios da cidade estarão cheios de pessoas visitando sepulturas de entes queridos. Por que não sair com a sua célula para distribuir folhetos ali?
82. O amor aproxima as pessoas, como um poderoso ímã. A falta de amor faz com que as pessoas se afastem. Não apenas ame as pessoas, mas demonstre esse amor por elas na célula.
83. Lembre-se que os parentes e os amigos dos novos convertidos são as pessoas mais receptivas ao Evangelho e devem ser o seu alvo primordial.
84. A maioria das pessoas se sente constrangida se você as convida para um culto, mas elas não se constrangem se são convidadas para uma festa. Faça, então, festas evangelísticas!
85. Planeje um “jantar da amizade” em vez do encontro normal da célula e convide amigos não-cristãos.
86. Durante uma reunião da célula, assistam a um filme evangelístico, em vez de terem um estudo bíblico.
87. Muitas pessoas fechadas ao Evangelho se abrem, quando enfrentam uma enfermidade ou problema na família. Ore por milagres! Espere por milagres! A explosão é uma questão de tempo!
88. Dezembro é o mês do Natal. Use essa data para fazer um “evento-ponte” com as crianças da rua ou com os parentes dos membros da sua célula. O “amigo oculto” pode ser uma boa idéia.
89. Estimule os membros a sempre dar o seu testemunho na célula, daquilo que Deus tem feito na vida deles. Isto fortalece a fé de todos e abre o coração do visitante.
90. Ensine os membros da sua célula o que é o Oikos (relacionamentos com família, colegas de trabalho, vizinhos e colegas de escola). Ensine-os a fazer evangelismo por amizade.
91. Incentive os membros da sua célula a fazer das festas de aniversário - ou qualquer outra comemoração - um motivo para convidar amigos não-crentes e testemunhar para eles.
92. Ensine os membros da sua célula a não se isolar dos incrédulos, mas estar no meio deles para os atrair para Jesus.
93. Faça rodízio da célula entre os membros, durante um certo período, com o propósito de evangelizar os familiares e amigos de cada membro.
94. Torne-se um servo daquele que você quer ganhar para Jesus, ajudando-o em suas necessidades, como, por exemplo: carregar sacolas, lavar roupas quando um bebê nasce, oferecer e dar carona, etc.
95. Faça evangelismo em equipe. Experimente bater de porta em porta, entregando um convite ou um folheto a respeito do Evangelho.
96. Use as crianças como meio de se ganhar os pais. Muitos adultos estão nas células por causa de uma criança. São muitos os testemunhos de crianças que atraíram seus pais não-cristãos às células.
97. As crianças são mais fiéis à freqüência nas células do que seus pais. São elas que não deixam seus pais faltarem às reuniões, porque elas não querem faltar. Use-as como meio para consolidar os pais!
98. Seja espontâneo ao falar de Jesus! Fale do Evangelho com a mesma espontaneidade que você fala do seu time de futebol (ou daquilo que mais gosta de fazer)!
99. Se no seu bairro existe uma gangue, ore pela conversão do seu líder e você receberá todos os outros membros junto com ele.
100. Coloque uma cadeira vazia na reunião da célula e peça que os membros orem pela próxima pessoa que irá sentar-se ali.



O Discipulado e a paternidade Espiritual




É bom ser sempre zeloso pelo bem e não apenas quando estou presente convosco, meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós...” (Gl 4:18-19).

            O trabalho do apóstolo Paulo, um dos maiores discipuladores que a igreja já viu, tinha como principal objetivo levar as pessoas a experimentarem a maturidade em Cristo Jesus. Através dos textos citados podemos notar, que havia um aspecto de discipulado muito interessante na vida do apóstolo, a paternidade espiritual.
            Ser um discipulador requer também o coração e a pratica da paternidade espiritual. A relação de discipulado que não manifesta este aspecto, normalmente resulta em uma relação meramente gerencial que produzirá apenas números, perdendo assim a oportunidade de experimentarem o amor, maturidade e uma série de benefícios. Devemos entender que o alvo a ser alcançado através do relacionamento entre discipulador e  discípulo é a maturidade cristã e a maximização de potenciais (Gl 4:19 / Ef 4:13; 4:15 / Cl 1:22; 1:28 e 5:22-23).
            Temos presenciado dias de uma geração complexa, destruída e muitas vezes falida. A raiz dessa situação está no fato de que cada vez menos tem se experimentado uma paternidade segundo o modelo de Deus.  Esse fato tem ocorrido também na vida espiritual de milhares de irmãos.
            Como discipuladores não podemos ignorar esse aspecto. Discipular com o coração paterno nos levará a ver o crescimento de nossos discípulos, que experimentarão o projeto de uma vida cristã significativa e frutífera. Devemos ser vistos como agentes de bênçãos.

Considerações sobre paternidade espiritual

  •      O pai é aquele que ajuda o filho a formar sua identidade. Isso ajudará a formar uma personalidade equilibrada e levar-vos-à a uma vida adulta ajustada, madura e abençoada;
  •       A paternidade espiritual também desenvolve o físico, o espiritual e o emocional;
  •        A paternidade espiritual também nos modela nos ensina e nos ajuda a relacionarmos saudavelmente com o próximo.


Discipulador e pai

         Note bem algumas características de um discipulador que também é pai:

·         Refugio
O discipulador é aquele em quem o discípulo pode encontrar refúgio (Sl 3:3 /  5:11-12 / 59:16-17).
·         Amigo
O discipulador deve ser cordial e íntimo. Isto implica em oferecer disponibilidade de tempo e abertura para o compartilhar experiências e problemas. (Sl 5:3)
·         Sustentador
O discipulador sustenta o discípulo em suas dificuldades.
·         Um companheiro
O discipulador é alguém que ama seu discípulo. Precisa gostar de estar com ele. Esse companheirismo gera uma relação de paz e alegria.
·         Conselheiro e guia
O discipulador deve ser uma das primeiras pessoas a quem o discípulo recorre quando precisa de ajuda para tomar decisões. Além disso, ele ajuda e estimula o discípulo a avançar. A disciplina também se encaixa aqui, pois quem ama disciplina. Disciplinar significa orientar, educar e supervisionar as escolhas.
·         Perdoador
O discípulador não deve guardar rancor, pelo contrario deve perdoar sempre. Filhos cometem erros, principalmente na fase de crescimento. Ele deve conduzir a relação com amor e não com ira, rigor, ameaças, críticas ou aspereza.
·         Confiável
Quando o discípulo percebe que pode confiar no discipulador e que ele é confiável, haverá um ambiente estável e propício ao crescimento.

Sugestões:

·         Priorize e realize reuniões de discipulado com prazer e espontaneidade;
·         Comam juntos;
·         Jejuem e orem juntos;
·         Pergunte e fale sobre os sonhos de seus discípulos;
·         Proporcione boas surpresas;
·         Emocione-os;
·         Fale sobre sua vida;
·         Estabeleça projetos juntos;
·         Honre-os;
·         Use sua criatividade.
·         É tempo de experimentarmos e exercitarmos paternidade espiritual através do discipulado a fim de proporcionarmos edificação de discípulos vencedores.











RELACIONAMENTOS QUE IMPEDEM O CRESCIMENTO E A MULTIPLICAÇÃO – João 15.8

Relacionamentos saudáveis nos levam a crescer. Sendo assim, relacionamentos são algo extremamente importante em nossas vidas. E se você deseja multiplicar/crescer você precisa cuidar dos seus relacionamentos. Vejamos alguns tipos de relacionamentos que impedem o seu crescimento:

  • AQUELES QUE ALIMENTAM SUA REBELIÃO
Não existem relacionamentos neutros. Todo relacionamentos exercerá uma carga de influência sobre a sua vida. E se você se associar às pessoas erradas, você pode comprometer seu destino. Por isso, você não pode ser fiel a Cristo e continuar sendo amigo de uma pessoa rebelde. Pois em algum momento sua lealdade ao Senhor vai forçá-lo a confrontar o rebelde e, quando isso acontecer, a amizade acabará. E é isso que Tiago 4.4 afirma: “Adúlteros, vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus.” Ser leal implica em fazer escolhas. Se escolhemos Cristo, isso significa que rejeitamos o mundo. Portanto, nunca ignore seus relacionamentos. Não existe relacionamento neutro. Cada amizade irá afetar sua vida de alguma forma. Aqueles que não o levarem pra cima, certamente o levarão para baixo.

  • AQUELES QUE DESRESPEITAM O CHAMADO DE DEUS EM SUA VIDA:
Infelizmente, pessoas que não entendem o chamado de Deus na nossa vida, muitas vezes desrespeitam esse chamado. E na verdade elas não podem valorizar algo sobre o que elas não têm revelação espiritual. Nas seitas ocultistas quando as pessoas identificam alguém que tem uma “entidade” todos incentivam a desenvolver. As pessoas abrem mão de empresa, de cursos, de viagem de casamento para se consagrar ao chamado daquela suposta entidade. Mas muitas vezes no meio evangélico não é assim.
O problema de muitos é querer responder ao chamado de Deus com custo zero. Não existe essa condição. O verdadeiro chamado requer renúncia genuína. Tem gente que não entende isso e vai tentar tirar você desse caminho. Por isso, você deve se afastar daqueles que não valorizam o chamado de Deus em sua vida. Jo. 15.16. Aqueles que não lhe apoiam para servir a Deus em algum momento eles vão te puxar para fora do caminho.

  • AQUELES QUE DIMINUEM AS SUAS EXPERIÊNCIAS:
Esse é o terceiro tipo de relacionamento que pode impedir a sua multiplicação. Aqueles que além de desrespeitar o chamado de Deus para sua vida ainda diminuem as suas experiências espirituais. Você deve ter cuidado. Porque pessoas se aproximarão de você e por inveja vão querer diminuir as suas experiências com Deus.  Para você identificar, esse tipo de pessoa, veja algumas atitudes do invejoso: O invejoso sempre desdenha dos seus resultados, o invejoso não consegue se alegrar com a vitória de ninguém, o invejoso sempre tem algo maior para contar, o invejoso fica irritado e nervoso, o invejoso tem limitações sem entendimento.
Não deixe ninguém diminuir suas experiências com Deus! Proteja-se daqueles que querem fazer parecer pequeno o que Deus fez ou que Deus falou ou o que Deus tem dado a você! Portanto, se você quer viver um ano de multiplicação, fique atento aos seus relacionamentos, àqueles que se aproximam de você, mas não são enviados de Deus.

  • AQUELES QUE ALIMENTAM SUAS DÚVIDAS:
Você nunca terá uma fé fortemente edificada se você caminhar com pessoas incrédulas, com pessoas que além de não incentivar sua fé estimulam suas dúvidas. Muito cuidado, porque a dúvida alimentada pode trazer grandes prejuízos à sua vida.
E sabe como a dúvida entra e se estabelece na nossa vida?     A dúvida entra através da atenção que damos às opiniões contrárias à Palavra de Deus; a dúvida entra através das conversas que enfatizam o fracasso; a dúvida é contagiosa; a dúvida sempre aparece quando não há influência de homens e mulheres de Deus em sua vida; a dúvida gera desconfiança; a desconfiança gera incredulidade e a incredulidade bloqueia as bênção de Deus na nossa vida.
Guarde a sua fé dos incrédulos. Não se associe àqueles que não crêem. Não se associe aqueles que ignoram a Palavra de Deus. Guarde seus ouvidos de ouvir coisas que não edificam. Guarde a sua vida de relacionamentos infrutíferos. Viva a multiplicação.

Do seu pastor e discipulador. 
Fernando Lopes Balthar (adaptado)








O Discipulado e as células na Tradição Metodista

Acerca da necessidade do discipulado, Wesley escreveu em seu diário em 13/03/1743:
“Pelas terríveis condições que testemunhei aqui (e deveras em todas as partes da Inglaterra), estou cada vez mais convencido de que o diabo não deseja outra coisa senão isto: que o povo em qualquer parte seja meio acordado1, e depois deixado para cair no sono novamente. Portanto, estou resolvido, pela graça de Deus, a não iniciar o trabalho em qualquer lugar sem a probabilidade de conservá-lo”.
John Wesley era defensor do discipulado radical e era extremamente preocupado com a fé do novo convertido
Necessidade de Grupos pequenos
“[...] grupo de homens reunidos que buscam o poder da piedade, orarem juntos, receberem uma palavra de exortação e cuidar um do outro em amor, para que possam ajudar uns aos outros a desenvolver a sua salvação.”

·         O Clube Santo

Na Universidade de Oxford, John Wesley participava juntamente com seu irmão Charles Wesley e outros universitários de um grupo pequeno. Inicialmente eles encontravam-se quatro noites por semana para estudar os clássicos e ler o Novo Testamento Grego. John imediatamente assumiu a liderança do grupo de estudo e deu uma direção mais disciplinada. Os estudantes mais jovens prontamente responderam às suas sugestões para melhorar os métodos de organização de seu tempo, de modo que o sistema de grupos logo se assemelhou ao próprio estilo de vida de John. Aos estudos clássicos e leitura da Bíblia foram adicionados períodos de oração, jejum, confissão e frequentes participações no sacramento. Além disso, os estudantes começaram a procurar oportunidades para serviço e testemunho nas regiões mais pobres da cidade. Eles visitavam os doentes, os idosos e presos e providenciavam roupas e ajuda financeira como podiam. Suas atitudes disciplinadas atraíram o desprezo de seus colegas de faculdade, e eles eram chamados de “Clube Santo” ou “Os Metodistas”.

·         Os Grupos pequenos no metodismo histórico

Na História do metodismo se destacam inicialmente, três elementos básicos a respeito de grupos pequenos: a sociedade, as classes e as bands.

·         As Sociedades

Uma sociedade representava o total dos/as membros metodistas num certo local. O equivalente, hoje, seria uma igreja local, comunidade, ou um ponto de pregação.
O que era exigido das pessoas que desejassem frequentar uma sociedade metodista?
“...um desejo de fugir da ira vindoura e ser salvo de seus pecados”.
O objetivo principal de Wesley era SANTIDADE. Daí darmos ênfase na doutrina da plena santificação. Portanto, a grande motivação de Wesley era tornar as pessoas discípulos de Cristo e desejosos por uma vida de santidade.
Com esse objetivo de santidade, Wesley acrescentou a essas sociedades três tipos de grupos pequenos: 1) classes; 2) bands; 3) bands seletos.

·         As Classes

Todas as pessoas que mostrassem interesse em filiar-se a uma sociedade metodista tinham que entrar numa classe. A dinâmica desses grupos era marcada pela troca de experiências a partir de perguntas frequentemente repetidas, desde 1744, inclusive nas Regras Gerais.  A classe examinava-se a partir dessas perguntas e motivou-se, frequentemente e de forma mútua, a obedecer às Regras Gerais que forem lidas, no mínimo uma vez por ano, diante de toda sociedade.
Os/as integrantes das classes tinham experiências espirituais diferentes. Nelas encontravam-se pessoas na busca da fé e pessoas com a certeza da fé. A partir das perguntas, todas elas trocavam assuas experiências pessoais, inclusive o(a) líder da classe. Temos então aqui um processo mútuo, em que um(a) líder cuidava, em primeiro lugar, do processo mútuo.
Além disso, compartilhava também a sua experiência pessoal, com os seus altos e baixos. Assim, falavam todos/as das suas derrotas como das suas vitórias, na busca de crescimento pessoal. A organização das classes seguiu uma lógica geográfica para atender aos problemas de locomoção.
As reuniões das classes metodistas vieram a se constituir no elemento central para a prática concreta da santidade de coração e vida pregada e ensinada por Wesley dentro do contexto de sua própria Igreja: um movimento de renovação da igreja – ecclesiola in ecclesia. É, pois, dentro deste contexto eclesial maior – da Igreja Anglicana – que Wesley afirmou as classes metodistas como um dos meios prudenciais de graça, explicitando, portanto, o seu caráter teológico.
As reuniões semanais das classes se tornaram um tempo para aconselhamento, admoestação, conforto, ou exortação, “como a ocasião o requerer”. As reuniões das classes para os primeiros metodistas vieram a se tornar no meio de graça através do qual se faziam responsáveis uns aos outros, e uns pelos outros, na prática da santidade expressa nas obras de misericórdia e obras de piedade em sua resposta em obediência à graça de Deus, não como uma elite espiritual reclusa, a exemplo das sociedades religiosas inglesas ou das comunidades morávias, mas como pessoas comuns, dispersas por toda a sociedade da época, em busca de santidade de coração e vida (santidade social).

·         Características das Classes
o   Grupo básico das sociedades metodistas;
o   Grupos mistos, compostos de homens e mulheres, convertidos e não convertidos;
o   Maneira de reabilitar novos convertidos dos hábitos de pecado formados durante a vida;
o   Composto de 12 a 20 membros;
o   Sob a direção de um líder leigo;
o   Encontros semanais à noite, para ter flexibilidade nos horários dos trabalhadores;
o   Propósito: Confissão mútua de pecados e prestação de contas, visando crescimento e santidade;
o   Ênfase em Discipular.

·         As Bands e Bands seletos
As bands foram constituídas meramente por pessoas que tinham a certeza da fé. Importante, porém, é que a dinâmica nos grupos não mudou. Havia novamente uma lista de perguntas que serviu para o autoexame e o exame mútuo. A participação era voluntária, mas, de um integrante se esperava uma radical abertura para a avaliação mútua.
No tempo de Wesley havia grupos mais específicos, chamados de bands selectos. Nelas se encontravam pessoas em busca da perfeição cristã.

·         Características das Bands
o   Composto de 5 a 10 membros;
o   Grupos homogêneos divididos por sexo;
o   Propósito: Cuidado pastoral e prestação de contas. Os grupos eram mais rígidos na prestação de contas
o   Continham 6 regras: Fazer encontros semanais; Ser pontual; Começar com louvor e oração; Falar um de cada vez, em ordem, livre e diretamente o verdadeiro estado de nossa alma e com falhas que cometemos em pensamentos, palavras ou ações, e as tentações que sentimos desde o último encontro; terminar os encontros orando individualmente pelos membros; Uma pessoa fala do seu estado primeiro e as outras fazem perguntas inquiridoras sobre tentações e pecados a esta mesma pessoa.

·         Características dos Bands seletos
o   Eram grupos mais especializados.
o   Maternidade de líderes futuros;
o   Regras: Manter extrema confidencialidade; Ter absoluta submissão ao líder em todas as coisas; Vida comunitária intensa com contribuição de dinheiros que sobravam dos seus ordenados.

Pr Fernando Balthar
IM Benfica - Juiz de Fora
Coordenador  Regional de Discipulado - 4ª Re 

Nenhum comentário:

Postar um comentário